Professor usa Tribuna Livre para cobrar soluções ao Teatro Municipal

Professor usa Tribuna Livre para cobrar soluções ao Teatro Municipal

legenda: Cidadão falou em nome do Coletivo Helenira Resende que reúne simpatizantes de ações culturais

Foto Fonte: Montagem O Victoriano

O espaço Tribuna Livre da Câmara Municipal foi utilizado na última segunda-feira, 4, pelo professor Sebastião Severino Neto, que é militante do Partido dos Trabalhadores (PT) de Avaré. Ele falou em nome do Coletivo Helenira Resende, movimento que foi criado em maio deste ano com o objetivo de promover ações culturais e políticas em Avaré.

O professor usou a tribuna para cobrar ações e soluções para o caso do Teatro Municipal Dr. Octávio Morales Moreno, que se encontra fechado para reforma desde 2011. No início da sua fala, o professor Sebastião lembrou que entre os anos de 2015 para 2016 surgiu um problema de acomodação para o Projeto Guri, que precisou ser transferido do barracão onde funcionava devido a problemas de infiltrações e goteiras.

Naquela ocasião, para não perder o projeto, a Prefeitura optou por transformar o prédio onde funcionava o Nocaija (antiga Guarda Mirim), num centro cultural, obra que foi viabilizada e que hoje não só abriga o Projeto Guri, como também outras repartições culturais, e isso acabou deixando a reforma do teatro em segundo plano.

“Diante disso os sonhadores do Coletivo Helenira Resende começaram a se perguntar como é que ficaria o nosso teatro, sendo deteriorado, o que nós vamos fazer com ele? E depois de uma reportagem exibida pela TV Tem no mês de julho, a gente começou a se reunir para travarmos uma nova luta na cidade em defesa do nosso teatro, que é muito bonito e tem uma acústica fantástica”, afirmou Sebastião.

MOVIMENTOS - De acordo com o professor Sebastião, o grupo de “sonhadores”, como ele mesmo definiu, pretende realizar uma série de movimentos com intuito de cobrar soluções dos poderes públicos, iniciando com um abaixo-assinado entre artistas e atores e também atividades tanto no próprio local, como também nas ruas da cidade.

“Pretendemos fazer isso como uma forma de protesto, mas também como forma de exigir que aquele espaço seja ocupado, porque cada dia que a gente passa lá é um vidro quebrado, uma coisa quebrada”, alertou o professor que disse ainda já ter entrado em contato com profissionais de engenharia, os quais opinaram que com cerca de R$ 300 mil as obras de reforma poderiam ser concluídas.

NOVO TEATRO- Dentro de um orçamento estimado em R$ 4 milhões, a Secretaria da Cultura não informou se existem planos para a reforma do atual teatro. Entretanto, o secretário Diego Beraldo já declarou em outras ocasiões que tem pretensão de construir um novo Teatro Municipal, mais amplo, que possa atender a demanda da cidade, e que o espaço para isso pode ser o barracão onde funcionava o projeto Reciclarte, junto ao complexo do próprio Centro Cultural, que, inclusive, está interligado com o atual teatro.

ORÇAMENTO – Outra saída seria o Orçamento Impositivo dos vereadores, que podem indicar ao Executivo onde devem ser aplicados recursos oriundos do Orçamento Municipal. O vereador Ernesto Ferreira de Albuquerque, disse que, da sua parte, apresentaria emenda ao Orçamento destinando R$ 300 mil para reforma do Teatro Municipal.

Fonte: Jornal A Comarca

 

Compartilhar:
Veja Também
Guardião