Assassino de Dominique é condenado a 16 anos em regime fechado

Assassino de Dominique é condenado a 16 anos em regime fechado

legenda: Dominique, morta em março de 2013, e o condenado Diego

Fonte da Foto: Reprodução O Victoriano/TV Tem

Diego do Nascimento, acusado de matar a jovem de 18 anos, Dominique Oliveira Machado, em março de 2013, foi julgado culpado após júri popular realizado na sexta-feira (29), no Fórum de Avaré. Com a decisão, o juiz determinou a pena de 16 anos de reclusão em regime fechado. Ele foi condenado por homicídio qualificado por motivo fútil, ocultação de cadáver e coação no curso de processo.

Diego, de 24 anos, já estava preso desde setembro de 2015 apontado como principal suspeito do crime. Segundo a polícia, Dominique morreu com pancadas na cabeça depois de ir a uma festa de rodeio junto com o Diego e o amigo dele em Arandu. Ela morava com a família em Avaré.

Mensagens de texto, trocadas pela vítima e o acusado antes do assassinato foram usadas como provas no julgamento. No último texto, Diego escreveu que iria atrás da jovem, depois disto ele não enviou mais nenhuma. Questionado pelo promotor Marcos Viera Godoy sobre o motivo de não ter enviado mais mensagens para Dominique, Diego ficou calado.

Duas testemunhas também foram ouvidas e disseram que Dominique e Diego foram juntos para o rodeiro, mas no fim da festa ele estava sozinho e com um arranhão no braço. Outra questão que chamou a atenção do promotor é que Diego ficou sem se comunicar com ninguém durante uma hora, momento em que estaria com Dominique. Segundo a acusação, foi nesse período que ele cometeu o crime.

"Os jurados fizeram justiça, escutaram tanto o Ministério Público quanto a defesa e decidiram de acordo com o Ministério Público pediu, que foi a condenação tanto pelo crime de homicídio com as duas qualificadoras, como pela ocultação do cadáver e coação no curso do processo. As mensagens foram um dos fatores, mas temos duas testemunhas que afirmam que ele confessou a elas o homicídio e diversos elementos de provas que o colocam no local onde o crime acontece e que fazem dele a única pessoa que teria matado a jovem", explica.

De acordo com o advogado de defesa Marcos Barbosa, as provas não são suficientes para condenação de seu cliente. "A defesa respeita a decisão dos jurados, porém entendemos que a decisão foi contraria as provas dos laudos, já que elas não são suficientes para a condenação de Diego do Nascimento. Já entramos com um recurso onde o Tribunal de Justiça vai analisar a decisão e pode aceitar ou anular esse julgamento, se anulado, teremos então um novo julgamento com novos jurados para debater o assunto", afirma.

FONTE: G1 Itapetininga e Região

Cursinho Einsten
Veja Também