Menor é investigado por suposta ameaça a escola de Arandu

Menor é investigado por suposta ameaça a escola de Arandu

legenda: Adolescente de 17 anos postou mensagem de cunho ameaçador no aplicativo WhatsApp; Polícia Civil investiga o caso

Foto Fonte: Arquivo

Uma postagem feita por um adolescente de 17 anos no aplicativo WhatsApp esta semana, mobilizou a Polícia Civil e o Conselho Tutelar de Arandu. O menor enviou uma mensagem de cunho ameaçador a todos os seus contatos no aplicativo, chegando até um funcionário da Escola Estadual Pedro Bento Alvez que por sua vez acionou o Conselho Tutelar.

Segundo consta no boletim de ocorrência registrado como Ato Infracional de Ameaça (Artigo 147 do Código Penal), o adolescente postou uma mensagem relacionada ao recente crime ocorrido na Escola Raul Brasil, em Suzano-SP. “Tô pensando em quarta...pistola 9mm e UZI pros mlks...qual eu uso pras meninas?”, dizia a mensagem.

O menor ainda teria postado em seu status no aplicativo a foto de um machado aparentemente com manchas de sangue, com os dizeres: “Como limpar seu machado depois de um massacre em escola”, além de outros prints relacionados a um vídeo de um clipe musical onde um jovem, com uma arma de fogo, atira em alunos dentro de uma sala de aula.

COMPORTAMENTO ESTRANHO - A conselheira tutelar que acompanha o caso, Pamela Priscila Lima Pontual, informou à Polícia Civil que se dirigiu até a casa do aluno, que mora com os pais, na quarta-feira, 20, pelo fato do adolescente não ter comparecido à escola. Ninguém foi encontrado na casa. A conselheira também declarou que entrou em contato com outros familiares do jovem, e tomou conhecimento que “ele apresenta comportamento estranho, e que a mãe o defende muito”.

INVESTIGAÇÃO –A reportagem do Jornal A Comarca entrou em contato com o delegado Jorge Cardoso de Oliveira, que atualmente responde por Arandu. Ele afirmou que a Polícia Civil está tomando todas as providências com relação ao caso, e que o telefone celular do menor foi apreendido para que possa ter todo seu conteúdo analisado. Segundo o delegado, existe nos arquivos do celular a foto de um dos jovens que cometeram o massacre na escola em Suzano, entre outras postagens e imagens que serão devidamente verificadas no decorrer das investigações. “Aparentemente se trata de uma brincadeira de mau gosto, que partiu de um menor que nunca teve envolvimento com a polícia e que faz parte de uma família humilde. Vamos continuar investigando e acompanhando esse caso, que também vai parar nas mãos do Ministério Público que por sua vez deve determinar algum tipo de acompanhamento profissional ao jovem”, explicou o delegado.

FONTE E FOTOS: JORNAL A COMARCA

Compartilhar:
Veja Também
Guardião
Pilates