Em resultado já esperado, Câmara arquiva processo contra prefeito

Em resultado já esperado, Câmara arquiva processo contra prefeito

legenda: Sessão começou às 18h e terminou por volta de 3h da manhã

Fonte da Foto: O Victoriano

O relatório da Comissão Processante da Câmara de Vereadores de Avaré (SP), que pedia a cassação do prefeito Jô Silvestre (PTB), acusado de assédio moral, foi arquivado durante a sessão da noite desta terça-feira (8).

Para que a cassação passasse, seria necessário que 9 dos 13 vereadores votassem a favor. Porém, o placar ficou em sete votos a favor e seis contra. Votaram a favor da cassação os vereadores Barreto do Mercado (presidente da Câmara), Ernesto Albuquerque, Adalgisa Ward, Cabo Sérgio, Flávio Zandoná, Toninho da Lorsa e Marialva Biazon. Votaram contra: Ivan da Comitiva, Estati, Roberto Araujo, Jairinho do Paineiras, Alessandro Rios e Capitão Morelli. 

A sessão durou mais de seis horas e cerca de 100 pessoas acompanharam a votação no plenário da Câmara. O Legislativo abriu em novembro do ano passado uma Comissão Processante para investigar a denúncia de quebra de decoro por parte do prefeito.

Denúncia - Segundo a denúncia recebida pela Câmara, o prefeito teria mudado uma servidora pública de setor por conta das críticas que o marido dela teria feito sobre a administração municipal.

Dez pessoas, incluindo o prefeito, foram ouvidas no dia 10 de dezembro. A direção da Câmara não divulgou o conteúdo dos depoimentos, mas informou apenas que a defesa teve cinco dias para apresentar as alegações finais.

Depois de um mês de investigações, a Comissão emitiu o relatório final pedindo a cassação do prefeito por entender que houve irregulares na mudança dessa servidora.

No processo, há uma imagem de uma suposta mensagem enviada pelo prefeito para a secretária municipal de Indústria e Comércio dizendo que a funcionária precisava ser transferida.

O prefeito de Avaré afirmou que entende a decisão dos vereadores, mas que não há provas de que tenha prejudicado a servidora e que o processo seria apenas um ato político.

Pela manhã, o prefeito Jô Silvestre emitiu uma nota em um grupo de whatsapp, que chegou ao conhecimento da redação do O Victoriano, contendo o seguinte teor: "Bom dia amigos (as). Ontem foi realizada a sessão extraordinária , onde vereadores da oposição, usando pessoas como 'laranjas', tentaram cassar meu mandato de prefeito alegando 'assédio moral', por eu ter transferido uma funcionária de um departamento para outro. Uma bizarrice! Tantas coisa para essa oposição se preocupar, abrindo CP (comissão processante) para tentar dar golpe do tapetão por cima do prefeito. Mas Deus é bom e justo e a justiça foi feita. Mesmo com a minoria, tenho 6 vereadores aliados da base que não deixou ir pra frente essa 'vergonha de CP', coisa ridícula e esdrúxula. Agradeço aqui a toda população que compareceu pelo apoio, aos vereadores Moreli, Roberto Araújo, Estati, Ivan da Comitiva, Alessandro Rios, Jairinho do Paineiras e aos advogados Dr. Frederico e especialmente ao Dr. Renato Almeida, que deu uma aula ontem na sessão, ensinado até mesmo o jurídico da Câmara e os seus 7 vereadores da oposição o que é 'Direito Público'. Termino meu recado para esses blog de internet que publicam manchetes mentirosas e para os vereadores que impetraram com essa CP: Se querem a cadeira de prefeito, disputem e vençam as eleições no voto popular, igual eu disputei e venci. Façam por merecer, trabalhem para o povo, corra atrás de melhorias para a cidade, mostrem serviço como vereadores, façam valer seus salários. O povo de Avaré merece respeito. E a câmara não é lugar de teatro".

Com informações do G1 Itapetininga e O Victoriano

Compartilhar:
toninho e Adalgisa
Alessandro e Coronel
Ernesto e Jairinho
Veja Também