Deputado Federal Rodrigo Agostinho cumpre agenda em Avaré

Deputado Federal Rodrigo Agostinho cumpre agenda em Avaré

legenda: Prefeito Jô Silvestre recebeu o deputado em seu gabinete na Prefeitura

Fonte da Foto: Assessoria

O deputado federal Rodrigo Agostinho (PSB) cumpriu agenda de visitas em Avaré na última sexta-feira, 4. No início da manhã, o parlamentar palestrou sobre sustentabilidade e pautas ambientais para alunos do Instituto Federal. Eleito em março para presidir a Comissão do Meio Ambiente, Agostinho foi ferrenho defensor do diálogo entre as bancadas ambientalista e do agronegócio quando o assunto é preservação da Floresta Amazônica. 

Com objetivo de avaliar as principais necessidades ambientais da região, o deputado também se reuniu com lideranças e autoridades locais para debater soluções propositivas. “Temos um potencial muito grande no Rio Paranapanema, por exemplo, o grande problema é a má gestão das empresas responsáveis pela geração de energia. Quando o processo adotado é ineficiente, o prejuízo é certeiro, e se tivermos um verão atípico com poucas chuvas (que é o previsível), o nível desses rios vai cair ainda mais”.

Na oportunidade, Agostinho passou pela Prefeitura de Avaré, pela Colônia Espírita Fraternidade e também pela Redação do Jornal A Comarca. Em entrevista à Comarca, Agostinho expôs uma prévia de sua atuação frente à bancada ambientalista, falou sobre suas expectativas das eleições municipais, conflitos entre lideranças partidárias na Câmara dos deputados e tensões causadas pelas reformas em tramitação. 

EM BRASÍLIA - Mesmo sendo pertencente a um partido que se firmou como oposição ao governo de Jair Bolsonaro, o deputado defende a flexibilidade no debate e nas votações das propostas. 

Ele votou a favor da Reforma da Previdência e afirmou ter passado por momentos de tensão em virtude do seu posicionamento sobre a PEC. “Acho que é o preço que se paga por estarmos na Política. Em um momento tão crítico, nós precisamos dialogar. Votei favorável ao governo em muitos pontos, mas não significa que pertenço à base governista, nós somos uma oposição mais moderada”, salienta.

As eleições municipais, segundo Agostinho, serão mais complexas pela falta de lideranças ativas, além das mudanças na legislação eleitoral. “Não teremos mais a coligação entre partidos, mas vejo que o maior problema é a fuga das pessoas. Estamos com pouca representatividade de novas lideranças. O atual cenário de polarização resultou nessa fuga. Alguns criaram certa aversão à política, isso é um desafio a ser enfrentado em 2020”, conclui.

ATUAÇÃO - Rodrigo Agostinho é ambientalista, Advogado formado pela Faculdade de Direito de Bauru - Instituição Toledo de Ensino (2001). Mestre em Ciência e Tecnologia com ênfase em Biologia da Conservação, na USC e Especialista em Gestão Estratégica pela USP.

Foi membro titular do CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente por mais de 10 anos e é Membro da Comissão Mundial de Direito Ambiental da IUCN - União Internacional de Conservação da Natureza, Membro do Conselho do Instituto o Direito por um Planeta Verde, Fellow do Programa LEAD - Leadership for Environment and Development da Fundação Rockfeller.

Atualmente é presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS) da Câmara dos Deputados e membro titular da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI). Integra a Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso Nacional e é membro da Diretoria da Frente Parlamentar Mista Ética Contra a Corrupção.

Fonte: Jornal A Comarca

 

Compartilhar:
Guardião
Veja Também